O gestor olha preocupado para a cadeira vazia de um colaborador. Essa cena tem sido frequente na empresa, mas não só devido a problemas relacionados com a saúde dos membros do time. Na verdade, criou-se no ambiente interno o hábito de faltar ao trabalho por qualquer motivo. Essa prática ruim tem um nome: absenteísmo. Por trás desse índice há inúmeras causas complexas que deixam instituições sem saber como gerenciá-las.

Mas quais são as principais causas do absenteísmo? Como reduzir a margem de faltas ao trabalho e os custos vindos dessa prática? Neste artigo, abordaremos esses questionamentos. Acompanhe!

Quais são as principais causas do absenteísmo?

O livro “Gestão de Pessoas”, do renomado autor Idalberto Chiavenato, revela que o absenteísmo é a soma dos períodos em que os profissionais internos estão ausentes do trabalho.

Esse número pode ser ainda mais assustador dependendo da quantidade de colaboradores faltosos que a empresa tem. Até porque os resultados são logo percebidos na falta de qualidade dos serviços, descumprimento de prazos e no orçamento da organização.

Mas quais fatores são os principais responsáveis pela alta taxa de ausência no trabalho? A mesma pesquisa aponta alguns. Por exemplo:

  • problemas de saúde como gripes, resfriados e a depressão;
  • problemas familiares que elevam o estresse e a falta de engajamento em relação à empresa;
  • o esgotamento devido a sobrecargas de trabalho e ausência de reconhecimento profissional.

Podemos afirmar que as ausências dos colaboradores são um “fantasma” que assombra muitas organizações. É o que revela uma pesquisa feita pela Gallup-Healthways. Esse estudo, que mensura o índice de bem-estar no trabalho, constatou que 84 bilhões de dólares é o prejuízo pago pelas empresas com a perda da produtividade vinda do absenteísmo.

Como reduzir os custos desse índice?

Para minimizar os custos com as faltas ao trabalho, a empresa precisa atacar a raiz do problema, ou seja, elaborar ações eficientes contra as principais causas das ausências. Vejamos algumas dessas medidas.

FAP

Toda empresa contribui com um tributo chamado Riscos Ambientais no Trabalho (RAT), que financia os benefícios previdenciários. Essa alíquota é regulada pelo Fator Acidentário de Prevenção (FAP) — índice mensurador do desempenho da empresa em relação à prevenção de acidentes.

Sendo assim, quando a instituição investe em medidas contra os acidentes de trabalho, reduz o valor do RAT e também previne possíveis faltas provenientes desses imprevistos.

Sinistralidade

Outro aspecto que onera o orçamento das organizações é a sinistralidade. Mas o que é isso? Significa o acionamento dos serviços do plano de saúde empresarial pelos colaboradores. Toda vez que essa ação ocorre, a operadora do plano de saúde registra um sinistro na apólice — em outras palavras, os gastos da organização com esse custo aumentam.

Com a adoção de uma política interna voltada para a qualidade de vida da equipe, é possível reduzir as requisições dos colaboradores ao plano de saúde. Em consequência, as ausências vindas de consultas, exames e outros tratamentos sofrerão uma queda expressiva.

Reclamações trabalhistas

A política de minimização de reclamações trabalhistas também diminui os custos com o absenteísmo. Por exemplo, uma empresa que cumpre com as regras da legislação trabalhista não excederá o limite máximo permitido de horas trabalhadas dos colaboradores. Desse modo, não ocorrerão ações judiciais por esse motivo e também faltas relacionadas ao cansaço e estresse da equipe.

 

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

 

É possível diminuir as faltas ao trabalho?

Um dos segredos para diminuir o absenteísmo é identificar os principais problemas enfrentados pelos colaboradores. Em seguida, os gestores estudarão estratégias que ajudem a chegar a uma solução para esse problema. Veja algumas delas!

1. Invista em ergonomia

A ergonomia é um conjunto de regras ou normas elaboradas com base em um estudo do ambiente de trabalho, perfil dos colaboradores e as atividades exercidas na empresa. A finalidade é entregar uma estrutura interna com as condições adequadas para a execução das tarefas laborais da equipe interna.

Para ajudar, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) criou a Norma da Ergonomia — um conjunto de regras padronizadas voltadas para o conforto e segurança dos trabalhadores. Quando respeitadas, a empresa gera o bem-estar interno, reduzindo as ausências causadas por questões de saúde.

2. Promova a qualidade de vida

Algumas empresas perceberam que investir na qualidade de vida aumenta a motivação dos colaboradores no trabalho. Por meio de ações como a flexibilidade na carga horária e espaços internos para interação e descontração das equipes, notaram que o bem-estar do time melhorou muito.

Além disso, o incentivo à participação de happy hours e confraternizações anuais é uma ótima maneira de elevar a felicidade — um sentimento ligado à qualidade de vida.

3. Abra as linhas de comunicação

A falta de diálogo entre gestores, colaboradores e toda a empresa causa ruídos que levam ao absenteísmo. Um deles é a falta do trabalho em equipe que promove o companheirismo e o espírito colaborativo. Sem comunicação, o ambiente interno torna-se pesado, pois é composto de estranhos que dividem o mesmo espaço todo dia.

Para evitar isso, o ideal é implantar tecnologias que fomentem a interação dos colaboradores, como a rede social corporativa. Porém, o contato físico também é importante. Sendo assim, reuniões descontraídas e eventos corporativos são ideais para aumentar o diálogo interno.

4. Adote o feedback

Muitos colaboradores sentem-se desmotivados quando não entendem como os gestores enxergam os seus serviços. É desanimador não receber elogios ou um direcionamento que vise melhorar os serviços prestados. Por isso, uma política de feedback é essencial.

Quando existe essa prática, os funcionários recebem aconselhamentos frequentes sobre a sua carreira e o seu trabalho, gerando um clima de parceria, amizade e confiança — fatores fundamentais para evitar o aumento do absenteísmo.

5. Ofereça treinamentos

Um programa de treinamento com atividades motivadoras pode ajudar no aumento da satisfação dos colaboradores e na redução das faltas ao trabalho. Por exemplo, as técnicas utilizadas pelo Team Building promovem o trabalho em equipe e o desenvolvimento de competências por meio de atividades experienciais.

Em vista disso, os participantes conhecem melhor os colegas de trabalho, aprendem como lidar com os desafios da vida empresarial e percebem quais são os seus pontos fortes e fracos. Em resumo, eles compreendem como ser um profissional melhor. O resultado é a elevação da autoestima e o desejo de estar na empresa para entregar bons serviços.

Quando os gestores colocam em prática as sugestões que visam à redução das faltas ao trabalho, não percebe-se cadeiras vazias na empresa. Pelo contrário, o que se vê são os rostos felizes dos colaboradores ao trabalharem com satisfação.

Gostou do conteúdo? Conheça nossa ferramenta que ajudará sua empesa com a redução de custos e com o absenteísmo dos seus funcionários.